Acelerando o Plano S: acordos de acesso aberto com publishers pequenos

Por Ernesto Spinak

Em posts anteriores,2,3 o blog SciELO em Perspectiva se referiu ao Plano S como um dos instrumentos de promoção do Acesso Aberto às publicações científicas. Como explicava um dos posts:

Recentemente, na Europa, foi lançado um plano para acelerar a transição para o acesso aberto. Chama-se Plano S. Seu princípio-chave é o seguinte: “Depois de 1º de janeiro de 2020, publicações científicas sobre os resultados de pesquisas financiadas com recursos públicos providos por conselhos nacionais e europeus de pesquisa e órgãos financiadores devem ser publicados em periódicos compatíveis com acesso aberto ou em plataformas compatíveis de acesso aberto.”2

No mês de junho deste ano foi publicado um informe4 promovido pela Association of Learned & Professional Society Publishers (ALPSP) realizado pela Information Power5 para avaliar o progresso da cOAlition S6 com enfoque em publishers de pequeno porte e independentes (todas as organizações envolvidas no informe estão detalhadas ao final deste post).

A ALPSP tem maior projeção sobre os países europeus, mas também estende seu alcance a instituições fora desta área geográfica, e como o SciELO é um dos 300 parceiros que a compõem, suas recomendações também chegam até nós e são de nosso interesse.

O objetivo deste informe foi medir o progresso dos acordos de acesso aberto (AA) entre pequenos publishers independentes de sociedades científicas, universidades, bibliotecas etc., que enfrentam desafios ao tentar negociar e implementar acordos transformativos de AA.

Ao longo de 2020 houve um claro aumento no número de artigos de AA publicados, invertendo uma tendência de queda na proporção do total de artigos publicados em AA entre 2016 e 2019, como observado na Tabela 1.

Ano
Total de artigos
Total em AA
% AA

2016
3.521.536
802.217
22,78%

2017
3.792.724
871.923
22,99%

2018
4.015.183
961.413
23,94%

2019
4.302.749
1.055.017
24,78%

2020
4.571.460
1.259.194

27,54%


Tabela 1. Tendências na publicação em Acesso Aberto (Fonte: INFORMATION POWER, 20217)

O referido informe7 apresenta uma seção especial onde oferece “recomendações para as partes interessadas em países onde os financiadores não fazem parte do cOAlition S.” É lá que entram os publishers da América Latina que publicam em modo por assinatura.

A maioria das sociedades científicas são organizações sem fins lucrativos. Na América Latina, os periódicos são principalmente de AA, mas este não é o caso em outras regiões, onde embora os editores de sociedades acadêmicas apoiem a ciência aberta e gostariam que os artigos de periódicos onde publicam fossem abertos, uma transição completa ao AA é um sério desafio para seus modelos de financiamento existentes. A maioria dos publishers destas sociedades científicas têm atualmente modelos nos quais a maior parte de sua receita vem de doações e uma parte menor provém das taxas de processamento de artigos (article processing charge, APC).

O informe7 inclui uma visão geral de 27 modelos e abordagens de negócios diferentes, onde os modelos com maior apoio foram os acordos transformativos de AA. Muitos novos consórcios em todo o mundo começaram a fazer experiências com estes negócios transformadores no decorrer de 2020, tanto em países de alta renda quanto em países com economias em transição. Durante 2020, a Electronic Information for Libraries (EIFL)8 em acordo com a Information Power negociou acordos de AA para editores de empresas em 26 países com economias em transição: Albânia, Armênia, Azerbaijão, Bielo-Rússia, Congo, Etiópia, Gana, Costa do Marfim, Quênia, Kosovo, Quirguistão, Laos, Lesoto, Macedônia do Norte, Malaui, Maldivas, Moldávia, Mianmar, Nepal, Senegal, Sudão, Tanzânia, Uganda, Uzbequistão, Zâmbia e Zimbábue.

Como a maioria dos periódicos latino-americanos são de acesso aberto, provavelmente ainda não existe um acordo envolvendo publishers em nossa região.

Existem desafios em realizar os “acordos transformativos”. Os principais desafios são financeiros, em primeiro lugar, e, ademais, a relutância em transformar os periódicos das áreas de humanidades em um modelo exclusivo de AA.

O informe revela que globalmente há dinheiro suficiente no sistema de pesquisa atual para fazer a transição completa de todos os periódicos para acesso aberto, mas o dinheiro não é facilmente agregado nos câmpus universitários e, portanto, não flui de maneira a facilitar os acordos de acesso aberto ou empoderar as universidades a maximizar a relação custo-benefício.

Por outro lado, em muitos países, pesquisadores, especialmente em ciências humanas e sociais, em temas clínicos e em áreas dirigidas por profissionais, como educação e o serviço social, continuam incapazes de publicar em AA, a menos que os acordos abranjam todos no câmpus. É menos provável que estes pesquisadores recebam subsídios de pesquisa e de forma que não podem arcar com os custos de publicação em AA caso tenham de pagar taxas de processamento de artigos (APC). Em algumas disciplinas e para alguns periódicos, estes pesquisadores constituem a grande maioria dos autores, e há pouca probabilidade de que estas disciplinas e periódicos passem para AA, a menos que sejam incluídos em acordos transformativos de AA.

Pioneira em Acesso Aberto, a América Latina, por meio de seus periódicos AA, não sofre com estas limitações. No entanto, para pequenos editores em muitos países, ainda há um longo caminho a percorrer em direção ao acesso aberto. Como disse o poeta… o caminho é feito ao caminhar.

Notas

1. VELTEROP, J. Plano S — e Taxas de Processamento de Artigo (APCs) [online]. SciELO em Perspectiva, 2018 [viewed 23 June 2021]. Available from: https://blog.scielo.org/blog/2018/11/27/plano-s-e-taxas-de-processamento-de-artigo-apcs/

2. VELTEROP, J. Planos de Acesso Aberto — S, T, U, até agora [online]. SciELO em Perspectiva, 2019 [viewed 23 June 2021]. Available from: https://blog.scielo.org/blog/2019/06/19/planos-de-acesso-aberto-s-t-u-ate-agora/

3. cOAlition S: Making full and immediate Open Access a reality. ALPSP, 2021 [viewed 23 June 2021]. Available from: https://www.alpsp.org/news/coalition-smaking-full-and-immediate-open-access-a-reality

4. A Association of Learned & Professional Society Publishers (ALPSP) é um organismo comercial internacional por associação que apoia e representa organizações e instituições sem fins lucrativos que publicam conteúdo acadêmico e profissional. Com mais de 300 membros em 30 países, a associação também inclui aqueles que trabalham com estes publishers.

5. O Information Power é um serviço de consultoria especializado em acesso aberto e informação de pesquisa, que está na vanguarda das inovações na publicação científica há mais de 25 anos. A equipe trabalha com financiadores, bibliotecas, consórcios, publishers, agentes, provedores e universidades em todo o mundo.

6. O cOAlition S é um consórcio internacional de organizações de financiamento e implementação de pesquisa que apoiam o Plano S, uma iniciativa de publicação em acesso aberto lançada em setembro de 2018. O Plano S exige que, a partir de 2021, todas as publicações acadêmicas sobre os resultados de pesquisas financiadas com recursos públicos ou privados fornecidos por conselhos de pesquisa e organismos de financiamento nacionais, regionais e internacionais, devem ser publicados em periódicos de acesso aberto, em plataformas de acesso aberto ou estar imediatamente disponíveis através de repositórios de acesso aberto sem embargo.

7. INFORMATION POWER. How to enable smaller independent publishers to participate in OA agreements: independent report. ALPSP, 2021 [viewed 23 June 2021]. Available from: https://www.alpsp.org/write/MediaUploads/Reports/How_to_enable_smaller_independent _publishers_to_participate_in_OA_agreements___2_June_2021___final.pdf

8. A Electronic Information for Libraries (EIFL) trabalha com bibliotecas para permitir o acesso ao conhecimento para a educação, aprendizagem, pesquisa e desenvolvimento comunitário sustentável.

Referências

cOAlition S: Making full and immediate Open Access a reality. ALPSP, 2021 [viewed 23 June 2021]. Available from: https://www.alpsp.org/news/coalition-s-making-full-and-immediate-open-access-a-reality

EIFL, IWAP sign free Read & Publish agreement. EIFL, 2020 [viewed 23 June 2021]. Available from: https://www.eifl.net/news/eifl-iwap-sign-free-read-publish-agreement

INFORMATION POWER. How to enable smaller independent publishers to participate in OA agreements: independent report. ALPSP, 2021 [viewed 23 June 2021]. Available from: https://www.alpsp.org/write/MediaUploads/Reports/How_to_enable_smaller_independent_publishers _to_participate_in_OA_agreements___2_June_2021___final.pdf

VELTEROP, J. Plano S — e Taxas de Processamento de Artigo (APCs) [online]. SciELO em Perspectiva, 2018 [viewed 23 June 2021]. Available from: https://blog.scielo.org/blog/2018/11/27/plano-s-e-taxas-de-processamento-de-artigo-apcs/

VELTEROP, J. Planos de Acesso Aberto — S, T, U, até agora [online]. SciELO em Perspectiva, 2019 [viewed 23 June 2021]. Available from: https://blog.scielo.org/blog/2019/06/19/planos-de-acesso-aberto-s-t-u-ate-agora/

Links externos

Association of Learned & Professional Society Publishers (ALPSP): https://www.alpsp.org/

Electronic Information for Libraries (EIFL): https://www.eifl.net/

Information Power: https://www.informationpower.co.uk/

‘Plan S’ and ‘cOAlition S’: https://www.coalition-s.org/

 

Sobre Ernesto Spinak

Colaborador do SciELO, engenheiro de Sistemas e licenciado em Biblioteconomia, com diploma de Estudos Avançados pela Universitat Oberta de Catalunya e Mestre em “Sociedad de la Información” pela Universidad Oberta de Catalunya, Barcelona – Espanha. Atualmente tem uma empresa de consultoria que atende a 14 instituições do governo e universidades do Uruguai com projetos de informação.

 

Traduzido do original em espanhol por Lilian Nassi-Calò.

The post Acelerando o Plano S: acordos de acesso aberto com publishers pequenos first appeared on SciELO em Perspectiva.

Fonte: SciELO
Licença deste conteúdo: