Líderes do governo e da oposição fecham acordo para votar Orçamento

Líderes do governo e da oposição fecharam acordo para votar a proposta de Orçamento de 2021 sem obstrução na sessão de hoje do Congresso Nacional. Com isso, a discussão do projeto de lei orçamentária foi encerrada.

O líder da Minoria no Congresso, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), informou que, depois de conversar com líderes dos partidos de oposição, a maioria deles se posicionou favoravelmente a acordo com o governo para reforçar o orçamento da Saúde, da Educação, da Assistência Social e do IBGE. Esse reforço ocorrerá por meio de projetos de abertura de crédito orçamentário (PLNs), que deverão ser apresentados após a aprovação do Orçamento.

Chinaglia também sugeriu que as emendas não admitidas pelo relator na Comissão Mista de Orçamento sejam utilizadas como referência para negociação com o governo.

Ele ainda ponderou que alguns líderes da oposição questionam o valores que serão destinados às quatro áreas e o período em que serão destinados. “Confiamos na palavra do presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco”, afirmou Chinaglia.

Educação
O deputado Afonso Florence (PT-BA) pediu para incluir no acordo as demandas de gestores da educação, que vão se reunir nesta sexta-feira (26) com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). Segundo o acordo, o PT deve retirar a obstrução para votar o projeto de lei orçamentária.

O líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), reiterou o compromisso para reforçar as áreas demandadas. “Para as universidades funcionarem, precisam ter o ano fiscal aberto pelo Orçamento”, explicou. “Prefeitos, governadores, hospitais e escolas precisam do Orçamento aprovado.”

Já o deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS) disse estar surpreso que a esquerda tenha sido favorável a acordo com o governo. “Os recursos do abono e da Previdência foram cortados”, lamentou.

Mais informações em instantes

25/03/2021 – 18:55  

Líderes do governo e da oposição fecharam acordo para votar a proposta de Orçamento de 2021 sem obstrução na sessão de hoje do Congresso Nacional. Com isso, a discussão do projeto de lei orçamentária foi encerrada.

O líder da Minoria no Congresso, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), informou que, depois de conversar com líderes dos partidos de oposição, a maioria deles se posicionou favoravelmente a acordo com o governo para reforçar o orçamento da Saúde, da Educação, da Assistência Social e do IBGE . Esse reforço ocorrerá por meio de projetos de abertura de crédito orçamentário (PLNs), que deverão ser apresentados após a aprovação do Orçamento.

Chinaglia também sugeriu que as emendas não admitidas pelo relator na Comissão Mista de Orçamento sejam utilizadas como referência para negociação com o governo.

Ele ainda ponderou que alguns líderes da oposição questionam o valores que serão destinados às quatro áreas e o período em que serão destinados. “Confiamos na palavra do presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco”, afirmou Chinaglia.

Educação
O deputado Afonso Florence (PT-BA) pediu para incluir no acordo as demandas de gestores da educação, que vão se reunir nesta sexta-feira (26) com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). Segundo o acordo, o PT deve retirar a obstrução para votar o projeto de lei orçamentária.

O líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), reiterou o compromisso para reforçar as áreas demandadas. “Para as universidades funcionarem, precisam ter o ano fiscal aberto pelo Orçamento”, explicou. “Prefeitos, governadores, hospitais e escolas precisam do Orçamento aprovado.”

Já o deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS) disse estar surpreso que a esquerda tenha sido favorável a acordo com o governo. “Os recursos do abono e da Previdência foram cortados”, lamentou.

Mais informações em instantes

Reportagem – Francisco Brandão
Edição – Pierre Triboli

56ª Legislatura – 3ª Sessão Legislativa Ordinária

Fonte: Agência Câmara Notícias